“Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino”. 1 Coríntios 13.11

O processo de maturidade na nossa vida se desenrola de uma forma natural, olhamos pessoas com a idade respectivas as nossas que não têm mais determinadas ações que remetem a falta de maturidade. Naturalmente abandonamos a mamadeira, a chupeta, os carrinho e bonecas, substituímos, por lápis e borracha, cadernos e livros, até posteriormente substituirmos por tablets, smartphones e notebooks. É uma jornada ascendente que não temos dificuldade de trilhar pois a nossa condição atual ganha a maior representatividade em nossa vida, traz mais conforto e praticidade comparando de quando éramos crianças, adolescentes e estávamos apenas vislumbrando a vida adulta como um ideal.

A nossa maior dificuldade é que nem sempre o processo de maturidade que Deus estabelece para nós segue a mesma naturalidade, ou por conhecermos a Cristo após a idade adulta, ou por muitas vezes não permitirmos totalmente que Deus realmente transforme o nosso pensamento. Não importa o motivo, o desejo de Deus é que atinjamos a maturidade diante dele e expressemos a sua presença em nós através dos Frutos do Espírito.

Quando o apóstolo Paulo escreve falando quando era menino, era natural que executava ações imaturas, de meninos, inconsequentes as vezes, pautada por um pensamento raso a respeito da vida, forçando para que seus interesses sejam realizados. Mas a seguir, Paulo nos diz que houve uma evolução, ele virou homem, ganhou a perspectiva geral, percebeu que a inconsequência fere a outros e gera resultados negativos em relacionamentos, agora ele conhece os fundamentos aos quais deve basear a sua vida, são profundos e baseados no Eterno, baseado na Obra redentora de Cristo e fixa os olhos no ideal de Cristo, e quando chegou a este ponto, as coisas de meninos acabaram. E podemos perceber, que não há nostalgia, há naturalidade e contentamento desta evolução rumo a maturidade que Paulo trilhou.

A vida que devemos trilhar rumo a maturidade que Cristo quer de nós, passa por renuncia, por abandono de hábitos, por reconhecimento que determinadas ações não são mais compatíveis com a nossa vida de “homem”.
Não permita que sua vida seja uma colcha de retalhos entre comportamentos de “homem” e de “menino”.

Permita hoje o transformar do Senhor nas ações que nos levam a maturidade diante do Senhor, que possamos abandonar as coisas de “meninos”, e trilhar naturalmente para uma vida de maturidade, intimidade e serviço diante de Deus, e sermos cada dia mais parecidos e mais íntimos da Sua Presença.

Que Deus nos ajude.

Pr. Raphael Antoniolli

© 2016 Igreja do Nazareno Flamboyant
Siga-nos: